O assunto se encerrou nas montanhas. O que poderia dizer? Não haveria nada. Montanhas não sentem medo. Não se sentem desprotegidas ou desamparadas. Elas não choram. Acho que me cairia bem. Far-me-ia mais forte. Rochosa, marcada por inúmeras escaladas, entremeada por incontáveis caminhos. Deflorada e devastada, porém firme.

A Luz de Lucy

Tenho impressão de que quando a vi a primeira vez ela estava de cabeça para baixo... devem ter sido os olhos apertados de sol e que ao mesmo tempo dispensavam tanto o brilho dele.


_Tão gentis, hostis, como algo que te chama e você sente medo de se achegar_


Era Lucy.

Quando me vi cantando ao passar por um poste que se apagava

Lucy in the sky with diamonds
diamonds

Eram diamantes.
Era Luz.

Ela era uma menina que procurava o brilho da lua no céu,
se tornou mulher quando descobriu que tinha diamantes nos olhos.


Deixou-se Lucy
Minha Ana-Luz
Palavras que não se calam
despidos lábios finos.
Do teu nariz o suspiro
de algo mal resolvido.
E os olhos?
Ah, os olhos:
estes já não fazem mais sentido.



Percorre sua mão em meu seio e desce ao ventre despropositalmente
porque
não queres,
- não quero
não pode.

Enche-a em minha cintura e afunda nos meus quadris
Suas mãos,
seus dedos,
seu tato tão fino
inconsequente.

Desliza, coça, arranha, belisca,
judia de mim.

Provoca-me, com esses dedos finos, menino
que digo
- é noite

e vamos.

Desce, vai!

É inevitável.
Dentro do ônibus simplesmente não consigo não imaginar as pessoas dançando pole dance enquanto se seguram naqueles ferros...Mas devo admitir que os velhinhos e as senhoras muito gordas me deixam constrangida.

Situações

O casal de namorados, sala de tv.

- Ô meu denguinho, meu docinho, xuxu.
(silêncio)

- Guti guti, amor, rainha do meu paraíso.
(silêncio)

- Dona da minha vida, minha neguinha.
(silêncio)

- Você sabe que eu daria a minha vida por você, não é?
(Pequeno murmúrio)

- Você daria a sua?
- Não.

(silêncio)

-Que chato né?