Hoje acordei e estava fazendo frio: aquele de pintar o nariz de vermelho e endurecer os dedos


Lembrei que quando fazia tempos assim, você aparecia com meias nas mãos -"Não tenho luvas, ué. Sinto frio". E você deixava eu por as minhas mãos nas suas para esquentar também. E nesse frio da manhã de hoje eu senti falta de você, Meu Amigo... E me peguei lembrando de nós e de todo amor que você me ofereceu e eu, grata, aceitei. E tive a certeza de que, todos os dias, nesses pequenos detalhes, lembrarei de você. Que a saudade vai doer como dói agora. Que o nó na garganta vai apertar e que eu engolirei o choro e continuarei andando... Você só me deu alegrias, você sempre me manteve quente.

Perdi um amigo. Um dos bons. Um daqueles que a gente inclui quando conta nos dedos. E agora que ele se foi, me sobram dedos nas mãos. Mas elas continuam protegidas com as meias, tudo bem? Sempre estarão.

Sinto sua falta, Te amo.