coca-cola e violão

Não é intencional, claro. 

Às vezes nos retiramos assim da vida das pessoas, sem um adeus ou um até logo, sem quase nenhuma certeza a não ser a de estarmos bem, de nos mantermos bem.

O meu amor é assim, de longe, à distância.

Mas hoje, especialmente hoje confesso:

Senti vontade louca de sentar na minha cama que fica lá em casa, naquele quarto todo bagunçado, falando sobre sexo, beijo e amasso com a Gabi. De ver Lu e ser toda prosa, toda poesia, toda versos.
(Lu: lembrei da lua na rua da sua casa, em como ela descia devagar até sumir lá no horizonte, como ficava linda... Eu adorava a lua da sua casa.)
Topar 'sem querer' com Hellen por aí, ou até mesmo ser 'achada' por ela e ficar brava com a situação brasileira, esses políticos de merda e essa educação barata, a vontade que ela sempre me deu de ser um pouco mais livre.

Vontade de reunir meus amigos, aqueles bons, os que me acompanharam até aqui, que me moldaram, me ensinaram, me construíram e dizer: "Ei, todo mundo, eu continuo aqui sim. Eu sei que não continuo a mesma, mas sinto falta do que fui. Eu amo vocês todos. Agora, Rafa, toca Raul."

A saudade doeu. A saudade dói.




conclusões

E se de repente o espaço que deveria ser do Amor fosse tomado pelas mágoas? Elas entrariam furtivamente, naquele silêncio indevido, naquela lágrima segurada, no fundo de um coração amargado pelo tempo, pela espera.

-

Sempre achei errado sonhar sozinho sonhos a dois.

-

A Felicidade nada mais é do que reafirmação. Se começar a perdê-la: grite seu nome, cerre os punhos.

Ninguém nunca mais panhou tamarindos. Mas a árvore continua lá, não é? E ainda dá os mesmos frutos






A gente às vezes se cobra conhecer alguém que valha a pena nesse mundão de Deus. E de repente, procurando, sem querer você olha pra trás e apenas percebe que aquela pessoa sempre esteve ali. Afinal quem te fez rir de coisas que ninguém mais achava graça? E dá saudade, sabe. A gente passa a valorizar mais as pessoas. A gente percebe que cresceu e que sim, memórias são as melhores coisas que teremos nessa vida louca. E que a gente não pode carregar nada maior. Nunca achei nada maior que o amor que eu sinto por você, e nunca percebi o tanto que ele é puro. Sei disso porquê a saudade doeu lá no cantinho... Aquele cantinho que esquecemos de cuidar, que acaba todo bagunçado, cheio de poeira mas que depois de tantas coisas acabarem e tanta gente ir-se embora a gente se dá conta de que sempre esteve ali. E claro, sempre vai estar.