Ninguém nunca mais panhou tamarindos. Mas a árvore continua lá, não é? E ainda dá os mesmos frutos






A gente às vezes se cobra conhecer alguém que valha a pena nesse mundão de Deus. E de repente, procurando, sem querer você olha pra trás e apenas percebe que aquela pessoa sempre esteve ali. Afinal quem te fez rir de coisas que ninguém mais achava graça? E dá saudade, sabe. A gente passa a valorizar mais as pessoas. A gente percebe que cresceu e que sim, memórias são as melhores coisas que teremos nessa vida louca. E que a gente não pode carregar nada maior. Nunca achei nada maior que o amor que eu sinto por você, e nunca percebi o tanto que ele é puro. Sei disso porquê a saudade doeu lá no cantinho... Aquele cantinho que esquecemos de cuidar, que acaba todo bagunçado, cheio de poeira mas que depois de tantas coisas acabarem e tanta gente ir-se embora a gente se dá conta de que sempre esteve ali. E claro, sempre vai estar.